Assim como diversas transações financeiras, alugar um imóvel envolve riscos no compromisso de pagamentos. Por isso, antes de fechar um contrato de locação, existe a análise de ficha do inquilino. Essa etapa é importante para avaliar se existe a capacidade do locatário de arcar com os custos da moradia.

Não pense que essa avaliação se restringe à verificação de CPF, para saber se o inquilino tem restrições em empresas de serviços de proteção ao crédito. Existem outras formas de se aprofundar nesta análise para se precaver de golpes ou fraudes. Infelizmente, só um nome “limpo” na praça não é garantia de idoneidade. Confira a seguir como a análise de ficha do inquilino pode ser mais completa.

Como ocorre a análise de ficha do inquilino

No início do processo da análise de crédito, o primeiro passo é a análise nos órgãos de proteção ao crédito. Como dissemos acima, a avaliação não para por aí, mas é o primeiro indicador da situação cadastral do inquilino. Se o locatário aceitar o fiador como forma de garantia, os dados dele também precisam ser avaliados.

O objetivo de analisar o crédito é verificar a atual situação econômica do interessado e encontrar possíveis dívidas pendentes. Com esse relatório em mãos também dá para compreender o comportamento do inquilino frente às suas obrigações financeiras.

É importante salientar que, em alguns casos, o nome negativado não é motivo para discriminar a capacidade do locatário de arcar com os custos do aluguel. Dependendo da situação, a pessoa sequer sabe que seu nome tem restrições porque o nome foi “sujo” indevidamente.

Além do número do CPF, devem ser solicitados documentos de identidade, comprovantes de residência e contatos para referência. A análise de ficha do inquilino também passa pela corretora de seguros ou instituição bancária, caso o proprietário ofereça a opção de seguro fiança.

A importância da análise de renda

Além da análise de ficha do inquilino, é importante realizar a análise de renda do interessado em alugar um imóvel. É nessa fase que fica comprovado ou não que o inquilino tem a capacidade financeira de arcar com os custos do aluguel e condomínio, se for o caso. Na prática do mercado imobiliário, os custos com aluguel não devem ser superiores a 30% dos ganhos mensais do futuro morador.

A análise da renda é crucial porque, sem comprovar que pode pagar as despesas mensalmente, existem grandes chances de o locatário se tornar inadimplente. Para demonstrar que não há riscos de isso acontecer, podem ser exigidos holerites, declaração de imposto de renda, extratos bancários, dentre outros.
A exigência de documentos para comprovação de renda também vale para o fiador do seu inquilino, se ele apresentar um. O fiador também precisa ter um imóvel quitado em seu nome e ter uma renda bruta três vezes superior ao do valor do aluguel, no mínimo.

O que acontece quando não há garantias

Sem conseguir comprovar a renda e sem crédito em sua ficha cadastral, os inquilinos poderão ter dificuldades em cumprir com o pagamento do aluguel. Mas só a comprovação da renda pode não ser suficiente. Por isso, é de praxe e recomendável contar com a exigência de garantia locatícia. Pode ser um fiador, seguro-fiança, dentre outras possibilidades. O importante é não ficar “descoberto” de nenhuma garantia.

Quando o dono do imóvel se descuida desses processos e abre mão da análise de ficha do inquilino, pode ter prejuízos financeiros e muita dor de cabeça. Se você não acredita nisso, saiba que é muito dificil exigir o despejo de inquilinos inadimplentes.

E até chegar a esse ponto, os proprietários sofrem muito com o estresse de ter que realizar as cobranças. Além de problemas de relacionamento com inquilinos, contratempos judiciais podem dar ainda mais dores de cabeça. Por mais que o contrato estipule multas, o inquilino pode atravessar crises em sua vida financeira e ter sua capacidade de pagamento prejudicada. A melhor forma de evitar calotes é se precavendo desde o início desta relação.

Por todas essas razões que os locatários só deveriam fechar um contrato quando a análise for criteriosa e detalhada. Além do desgaste emocional e todo o estresse gerado com a situação, as finanças ficam prejudicadas por conta da falta de pagamentos. Por isso, cada vez mais as imobiliárias têm se atualizado e agregando aos serviços prestados a análise completa do cadastro de possíveis inquilinos e fiadores.

Como você pode garantir uma análise segura

Realizar a análise de ficha do inquilino nem sempre é uma tarefa simples, especialmente para pessoas físicas. Como realizar uma análise precisa da renda e do crédito do seu inquilino sem conhecimentos sobre os riscos, por exemplo? Somente uma pessoa que saiba interpretar esses dados ou que tenha experiência no ramo poderia chegar a conclusões com facilidade e segurança.

É nesse momento que o trabalho de uma imobiliária boa e confiável mostra sua credibilidade. Os riscos de prejuízos não são apenas do locatário: a imobiliária também pode sofrer perdas. Assim, uma boa empresa especializada em imóveis sabe se cercar dos melhores parceiros, como seguradoras, e têm um respaldo jurídico competente.

Portanto, para que você possa se proteger de eventuais golpes, fraudes e inadimplência, conte sempre com os serviços da sua imobiliária de confiança. Ela deve ser capaz de realizar a análise de crédito e perfil de inquilinos e fiadores, além de fazer o intermédio com seguradoras de igual confiança. O processo de alugar seu imóvel fica mais fácil quando você tem um bom suporte profissional.

Depois de saber como analisar a ficha cadastral do seu inquilino para evitar calote, veja quais documentos exigir para locação do imóvel.